sábado, 12 de novembro de 2016

Fotos do Seminário Gênero e Política/CinePagu na Mostra Unicamp 50 anos











Seminário Gênero e Política/CinePagu na Mostra Unicamp 50 anos

Seminário Gênero e Política/CinePagu na Mostra Unicamp 50 anos

Neste seminário, que contou com a participação de diretores, produtores culturais e pesquisadores, foi abordada a cultura audiovisual e as produções imagéticas de comunidades e coletivos jovens, sugerindo um novo olhar sobre corpo, política e subjetividade.

Coordenação Geral: Karla Bessa- Núcleo de Estudos de Gênero/PAGU
Estagiários: Thiago Paz e Matheus Aureliano

Primeiro dia
14/09/2016
Horário: 14:00h
Local: Sala Multiuso/IFCH

Mesa: Uma Política queer é possível? 

Foi abordada a questão das lutas políticas no Brasil,  procurando estabelecer os parâmetros nos quais de um lado os movimentos sociais, os coletivos estão mobilizados e por outro, como as ciências humanas tem refletido sobre as possibilidades de novas subjetividades.  Quais corporalidades estão em cena, como se debate o corpo, o desejo, o sexo, fora dos eixos normativos binários?

Convidados:

Emília Santos, artista plástica, formada pelo Centro Universitário Belas Artes de São Paulo, 2007, fundadora do grupo CUME (JUndiaí). É arte educadora e ilustradora nos canais: Revista Geni, Chic POP Coletivo Historiográfico, CUME, Pangeia. Desenvolve com o Ateliêr Cenográfico a identidade visual da Biblioteca de Direitos Humanos Maria Firmina dos Reis (Cidade Tiradentes, SP, 2015)

Angela Domini - Professora adjunta na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) - Departamento de Filosofia. Psicóloga, mestre e doutora em psicologia clínica/estudos da subjetividade, formação complementar em direção cinematográfica pela Escola de Cinema Darcy Ribeiro e pós-doutora em Medicina Social pela UERJ, integra o conselho deliberativo do ELAS - Fundo de Investimento Social, único fundo independente dedicado as mulheres no Brasil.

Mediadora: Karla Bessa (Pagu/Unicamp)

Projeção do Filme:  Corpos que escapam
Direção de Angela Donini, Brasil. 2016
Sinopse: A cidade do Rio de Janeiro é revisitada a partir das memorias de João e Gabriela. Que cartografias enredam a afirmação da liberdade sexual e de gênero? Que deslocamentos imprimem em seus cotidianos? Que rupturas e que conquistas estão nesta busca? Como se atualizam as memorias de infância? Como se enredam as relações familiares? E as relações de trabalho e de amizade?



Segundo dia
15/09/2016
            Horário: 14:00h

             Local: Sala Multiuso/IFCH
 

Mesa: Racialização dos corpos, Juventude, mídia e audiovisual

Nessa mesa foi debatida a problemática da racialização e a contrapartida  do cinema negro e feminista no Brasil e no mundo. Como novas produções audivisuais e coletivos negros na internet tem mudado a história do audiovisual negro no Brasil? Quais são as relações entre as demandas políticas das questões relativas à juventude e as novas mídias?

Convidados:

Vanda Aparecida da Silva – Antropóloga, com pós-doutorado pela Professora da Universidade Federal de São Carlos- Campus de Sorocaba,  Foi pesquisadora pós-doc da FCT (Fundação para a Ciência e a Tecnologia - Portugal),  atuando no ICS - UL (Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa) e no CRIA - ISCTE - IUL (Centro em Rede de Investigação em Antropologia, do Instituto Universitário de Lisboa).

Janaína Oliveira -Pesquisadora, é doutora em História pela PUC-Rio e professora desta disciplina no Instituto Federal do Rio de Janeiro – Campus São Gonçalo, onde coordena o Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígena (NEABI). Realiza pesquisas centradas na reflexão sobre Cinema Negro, no Brasil e na diáspora, e  sobre as cinematografias africanas, sempre buscando conexões que possam incidir também na área da educação das relações étnico-raciais. Coordena o Fórum Itinerante de Cinema Negro (FICINE) – RJ

Mediador: Gilberto Alexandre Sobrinho (Instituto de Arte/Unicamp)

Filme: Diário de Exú  
direção de  Gilberto Alexandre Sobrinho- Brasil, 2015
Sinopse: Este documentário atualiza o mito de Exu, tomando como ponto de partida o registro do processo de criação da peça de teatro Exus. Seu protagonista, o ator Mestre Jahça, é o fio condutor que conecta os diferentes lugares onde habita essa divindade.

Filme: Cores e Botas
Direção de Julyana Vicente, Brasil, 2010
Sinopse: Joana tem um sonho comum a muitas meninas dos anos 80: ser Paquita. Sua família é bem sucedida e a apoia em seu sonho. Porém, Joana é negra, e nunca se viu uma paquita negra no programa da Xuxa.